EU VOTO JORGE PICCIANI 15155 E LEONARDO PICCIANI 1580

Jorge Picciani 15155 é carioca da gema. Nasceu e se criou em Mariópolis, Anchieta, estudou no Colégio Pedro II, é pai de quatro filhos, avô de cinco netos e presidente do PMDB-RJ.

Foi na Alerj, há vinte anos, que Jorge Picciani e o Governador Sérgio Cabral começaram a trabalhar juntos. Cabral era presidente da Assembléia Legislativa, Picciani o segundo. Juntos mudaram a Alerj, com foco na transparência, na união, na defesa do estado do Rio de Janeiro e de seus municípios. Como atual presidente da Alerj, Picciani vem expandindo as mudanças iniciadas Cabral. A parceria entre Governo do Estado e Legislativo é sólida e tem trazido benefícios concretos para toda a população fluminense.

A capacidade de ouvir de unir, de trabalhar com todos e de batalhar incansavelmente pelo desenvolvimento do nosso estado tem feito de Picciani o líder de um novo Rio: mais próspero, mais atuante, mais respeitado. A luta agora é para que ele possa fazer o mesmo em Brasília, defendendo os interesses do Estado e avançando nas nossas conquistas.

---------------------------------------------------------------

Leonardo Picciani 1580 nasceu em Nilópolis (RJ), em 6 de novembro de 1979. Está em seu terceiro mandato como Deputado Federal. Eleito pela primeira vez em 2002, com 151.942, quando tinha apenas 22 anos, foi reeleito duas vezes sempre com expressivo numero de votos (173.211, em 2006 e 165.630, em 2010).

Leonardo já acumula grande experiência parlamentar. Foi presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados no ano de 2007 e relatou projetos importantes ao longo de seus mandatos, tais como a mensagem que criou o Programa Federal do Primeiro Emprego (2003), o Marco Regulatório das Agências Reguladoras (2004) e a limitação do uso das Medidas Provisórias pelo Governo Federal (2008).

Foi, ainda, relator da CPI da pirataria (2003) e é de sua autoria a PEC que muda o artigo 155 da Constituição Federal, propondo que o ICMS sobre petróleo e energia passe a ser cobrado nos estados produtores e não no destino final, como ocorre atualmente.